Informativo relativo à norma editada pelo Estado de São Paulo sobre a guerra fiscal

17/06/2019

A partir do advento da Lei Complementar nº 160/2017 sancionada pelo Governo Federal em 2017, editou-se uma permissão para que os Estados e o Distrito Federal deliberassem sobre a anistia (remissão) de débitos tributários decorrentes de utilização de benefícios fiscais concedidos inadequadamente, não observando a autorização prévia pelo Conselho Nacional de Política Fazendária – CONFAZ, com intuito de colocar um fim da chama Guerra Fiscal.

A partir da permissão concedida pelo Governo Federal, o CONFAZ editou o Convênio 190/2017, que trouxe condições a serem atendidas pelas entidades federativas para a remissão destes créditos e a convalidação dos incentivos e benefícios fiscais. Desta forma, o contribuinte deve observar as referências da divulgação dos benefícios fiscais inadequados, a serem publicadas nos respectivos diários oficiais de cada Estado e o registro da documentação aplicável perante o CONFAZ, nos respectivos prazos estipulados.

Alcançada essa premissa, as Secretarias das Fazendas Estaduais começaram a publicar atos normativos com intuito de instrumentalizar as normas dentro de seus territórios. Assim, se verificou a partir da publicação no DOE/SP, a Resolução Conjunta nº 1/2019, a disposição sobre uma maior facilidade a ser concedida aos contribuintes do Estado de São Paulo para anularem os autos de infração por uso de créditos de ICMS, obtidos por meio de benefícios fiscais irregularmente.

Especificamente, a Legislação Paulista disciplina os procedimentos a serem adotados relativamente a créditos de ICMS decorrentes de operações, para as quais tenham sido concedidos benefícios em desacordo com o previsto em normal constitucional, bem como a forma com que devem ser informadas, segundo as quais dependerão às convalidações de suas operações e cancelamento das correspondentes autuações os seguintes requisitos:

  • o contribuinte deve-se ater à apresentação de um pedido exclusivo para cada auto de infração, conforme a fase processual e a forma do processo, física ou eletrônica, a fim de que proceda ao reconhecimento referente aos créditos alvo de discussão, na forma do modelo constante no Anexo da referida Resolução.
    • renúncia à defesa ou recurso, administrativo ou judicial, apresentado contra a cobrança de ICMS que se pretende cancelar. (Apesar disso, se o pedido for indeferido, o julgamento da defesa ou recurso seguirá normalmente. Ou seja, o contribuinte não perde o direito de discutir a cobrança caso seu crédito de ICMS não seja reconhecido).

Atenta-se, a propósito, que antes de apresentar o pedido, os contribuintes paulistas devem confirmar o cumprimento dos requisitos dispostos na Lei Complementar nº 160/2017 e no Convênio CONFAZ 190/17.

Neste sentido, o Escritório Natal e Mansur pode auxiliar quem optar por maiores informações, em vista que este boletim foi disponibilizado com caráter meramente informativo. Melhores detalhes podem ser obtidos através dos profissionais do nosso escritório.

Outras Publicações